domingo, 26 de setembro de 2010

O que os economistas pensam sobre sustentabilidade

Livro reúne os pensamentos de 15 dos mais influentes economistas brasileiros - Comentário da revista Exame
São Paulo - Aquecimento global, mudanças climáticas, emissões de carbono, energias alternativas, novas tecnologias...A lista de termos que integram a pauta da sustentabilidade, além de extensa, representa um desafio novo para a humanidade. Um desafio que não deixa brecha para falhas e convida todos a refletir e agir. Todos, sem exceção.
"Diante dos cenários climáticos divulgados pela ciência, o desenvolvimento econômico não pode mais ignorar suas externalidades e efeitos colaterais", afirma Ricardo Arnt no texto de apresentação do recém lançado "O que os economistas pensam sobre sustentabilidade", da Editora 34. Nos últimos meses de 2009 e nos primeiros de 2010, o jornalista  entrevistou e organizou as opiniões de 15 dos mais influentes economistas brasileiros sobre o tema.
Entre eles estão Antonio Delfim Netto, Gustavo Franco, André Lara Resende, Eduardo Gianetti, José Eli da Veiga e Sérgio Besserman Viana. No livro, os economistas - dos mais tradicionalistas aos mais engajados - discutem, sem subterfúgios, o que pensam sobre a crise ambiental e climática que ameaça o século XXI e gerações futuras, e o que é possível fazer para reverter esse quadro.


Leia a seguir alguns trechos das entrevistas:



Foto: Carol do Valle
Delfim Netto: ex-ministro da Fazenda, da Agricultura e do Planejamento e ex-deputado federal
Delfim NettoO relatório Limites do Crescimento, do Clube de Roma, provocou polêmica, em 1972, por questionar a ideologia do crescimento econômico, mas suas previsões revelaram-se erradas. Hoje, há de novo economistas propondo uma ”economia de não crescimento” para os países desenvolvidos. A sociedade pode abdicar da ideia de crescimento econômico?
"Convencer o sujeito de que continuar pobre é ótimo me parece uma tarefa difícil. Nos países que já atingiram certo nível de crescimento, não sei. Num país como o Brasil, que tem o nível de renda per capita que tem, é inimaginável. O que precisamos é chegar ao nível per capita da Noruega sem destruir o que sobrou".
 
Foto:Paulo Jares
André Lara Resende: ex-presidente do BNDES e um dos criadores do Plano Real.
André Lara ResendeA agenda do presidente Obama pressupõe a retomada do crescimento econômico numa economia de baixa emissão de carbono. Isso significa uma nova fronteira tecnológica e um novo tipo de infraestrutura econômica, como transportes elétricos, por exemplo. Como o Brasil pode se inserir nesse novo paradigma?

"A gente está falando de grandes temas, mas há melhorias extraordinárias que não exigem tanta mudança. A coisa mais evidentemente disfuncional no mundo de hoje é o automóvel com motor a explosão. (...) Você não pode ter cidades do tamanho que temos baseadas no transporte individual de automóvel."


Foto: Selmy Yassuda
Edmar Bacha: ex-presidente do IBGE e do BNDES

Edmar BachaConstruir uma economia de baixa emissão de carbono implica numa mudança de paradigma no pensamento econômico?
"Estamos lidando com um assunto cuja novidade para os economistas decorre do fato de que a gente sempre tomou, na análise econômica, a natureza como um bem livre, de oferta ilimitada, a preço zero. Portanto, não era objeto da indagação dos economistas. Os economistas se perguntam sobre como alocar recursos escassos com usos alternativos, e a natureza não aparentava ser um recurso escasso. (...) Então, estamos nos dando conta de que esse bem, a natureza, é escasso, e, dada essa visão de que há escassez, temos um problema econômico. O problema econômico deriva de que a natureza não tem dono".


Foto: Raul Junior
Eduardo Giannetti: pesquisador e professor da Faculdade Insper, em SP.

Eduardo GiannettiA primeira opção econômica na Amazônia continua a ser converter floresta em capim. É possível criar uma economia da floresta em pé?
"Creio que é possível e acho que o grande problema brasileiro é enforcement. Nós temos leis até avançadas e exigentes de preservação, mas uma capacidade muito restrita de transformá-las em realidades e comportamentos. A capacidade do Estado brasileiro de se impor e de garantir o respeito ao marco legal, especialmente na  região Norte, é ínfima. Começa pela questão da propriedade fundiária. Nós temos um caos de indefinição de direitos de propriedade na região amazônica que é altamente nocivo do ponto de vista da preservação.(...)"


Foto: Divulgação/Ag. Brasil
Luciano Coutinho: Ex-presidente do BNDS e sócio fundador da LCA Consultores

Luciano CoutinhoHá economistas que dizem que as mudanças climáticas são a maior e a mais abrangente fala de mercado jamais vista.
"É verdade. Quando falamos de bens públicos, e de que não existe mercado para lidar com bens públicos pelo fato de eles não serem divisíveis e precificáveis, reconhecemos que o mercado  não é capaz de cuidar das externalidades. O fato de que a poluição do ar, a emissão de carbono  e os processos de poluição produziram uma capa de gases de efeito estufa sobre o planeta, que terá como consequência um aquecimento generalizado de pelo menos 2ºC -- inescapável, irreversível e já instalado --, constitui, na verdade, um falha gravíssima de mercado. Ela poderá ter consequências dramáticas, nos colocando no limiar de um processo catastrófico, se não forem contidas.(...)"

 
Foto: Raul Junior
Gustavo Franco: ex-presidente do BC e sócio da Rio Bravo Investimentos

Gustavo FrancoO que o senhor acha da ecoeficiência? A ideia do empresário Stephen Schmidheiny é produzir mais e melhor com menos, reduzindo o consumo de recursos e os impactos e aumentando o valor dos produtos e serviços.
"Acho muito bacana, porque, se os mercados fossem perfeitos, estaria tudo resolvido, mas não é o caso. Existe sempre o que a gente chama de arbitragem: oportunidades de fazer mais com a mesma coisa, comprar barato e vender caro. (...) Acho que seria um equívoco imaginar que todas as empresas do planeta produzem no seu absoluto píncaro tecnológico e não poderiam produzir  mais ou desperdiçar menos. É claro que podem. (...)"



Foto: Germano Luders
José Roberto Mendonça de Barros: ex-secretário do Ministério da Fazenda no governo FHC

José Roberto Mendonça de BarrosVocê acha que a inovação tecnológica poderá mudar o cenário climático pessimista, como mudou o prognóstico de catástrofe econômica antevista por Malthus no século XIX?
"Sim. Acho que não é ingenuidade, não, desde que de fato haja uma demanda por mudança  forte. Os melhores exemplos que eu conheço são o açúcar e o álcool. A indústria de petróleo sempre detestou o álcool. Detestou! Porque tira o negócio deles. Só que agora estão entrando no negócio. Não é porque sejam bonzinhos, mas porque é inevitável. Já que produzem carbono, têm que fazer algo. É isso a transformação. E quando essa demanda se impõe os recursos aumentam.(...)"


Foto: Fiemg
José Eli da Veiga: professor da USP e ex-superintendente regional do INCRA

José Eli da VeigaHá empresas admiráveis e socialmente responsáveis, mas a maioria realiza programas de sustentabilidade pontuais e o marketing reivindica crédito planetário. Como você vê a onda de "maquiagem verde" ?
"A minha sensação é de que, quando a empresa começa a falar nesse assunto por oportunismo, não tem ideia do risco que está correndo, porque ela vai ser obrigada a levar isso a sério. Uma das razões é que você estimula certo comportamento do consumidor, e ele vai querer cobrar. Infelizmente, uma das características lamentáveis da sociedade brasileira é a fraqueza dos movimentos dos consumidores. (...)"


Foto: Alexandre Battibugli
Luiz Gonzaga Belluzo: sócio da revista Carta Capital e consultor de Economia de Lula

Luiz Gonzaga BelluzoMas o engenho humano conquistou a capacidade de alterar o planeta em uma fração de tempo histórico. Grandes mudanças não intencionais estão ocorrendo na atmosfera, nos solos, nas águas e nas relações entre os elementos. Como o senhor vê a busca pela sustentabilidade?
"Eu acredito muito naquela frase do Marx, de que a sociedade não se propõe problemas que não pode resolver. Ela está se propondo esse problema da sustentabilidade agora. (...) Esse é um problema que a humanidade tem de resolver, neste momento. A sociedade avançou de forma contraditória, construindo a possibilidade de se desenvolver sem agredir a natureza, mas ao mesmo tempo, tornando essa agressão cada vez mais dolorosa. (...)"

 
Foto: Luiz Alonso
Maílson da Nóbrega: ex-minsitro da Fazenda (1988-1990) e colunista da revista VEJA

Maílson da NóbregaHá apreensão sobre a “capacidade de suporte do planeta”.  A ONG Global Footprint Network, ligada à Universidade de British Columbia, no Canadá, anunciou que em 1987 o consumo global de recursos ultrapassou a capacidade de regeneração do planeta. Nosso excedente de consumo seria da ordem de 30% e, se continuarmos no ritmo atual, em 2050 precisaremos de dois planetas. O que o senhor acha?
"Acho que é uma visão no mínimo discutível, porque pressupõe que a tecnologia não possa resolver o problema , que não seja possível continuar o desenvolvimento com tecnologias que reduzam os danos ao meio ambiente ou que melhorem, gigantescamente, o uso dos recursos naturais.(...)"


Foto: Lailson Santos
Aloizio Mercadante: Fundador do Partido dos Trabalhadores e ex-senador por SP.

Aloizio MercadanteNa discussão sobre as hidrelétricas do rio Madeira, cuja corrente induz a muita sedimentação de detritos, havia quem reivindicasse uma avaliação da sedimentação na bacia do Amazonas inteira.
"Isso é fundamentalismo. Até entendo que o cidadão possa ter essa visão, mas o Estado não. O Estado tem de ter uma política e discernir sobre o custo dos impactos ambientais dos empreendimentos. Não há fonte de energia que não tenha algum impacto. Se você usar eólica para substituir uma hidrelétrica, imagine quantos aerogeradores e pás serão necessários. Como ficará o cenário? Ainda bem que temos uma matriz renovável variada. Está melhorando a percepção dos sistema e estamos avançando, mas temos de acelerar."



Foto: Reprodução vídeo/ WWF
Sérgio Besserman Vianna: ex-presidente do IBGE e professor da PUC-RJ

Sérgio Besserman Vianna A sustentabilidade é uma ideologia econômica ou uma necessidade?
"Não chega a ser uma ideologia econômica. É uma imposição da realidade. Temos tratado os serviços que a natureza nos presta como se fossem bens públicos: usamos à vontade, eternamente, infinitamente, sem custos. Sabemos, hoje, que têm custo. O custo é global, afeta bilhões no  planeta e , por conta da mudança climática, não é uma agenda para muitas décadas, é a agenda de agora. Vamos ter de internalizar esses custos na contabilidade nacional, nas economias e nas empresas. Esses custos têm de ser precificados, têm de passar a ser cobrados. (...)"


Foto: Bia Parreiras
Persio Arida: um dos criadores do Plano Real e sócio do Banco BTG Pactual

Persio Arida Um mercado de direitos negociáveis de emissão pode ajudar a encontrar o caminho para reduzir a poluição do sistema?
"Claro que sim. O problema é como distribuir o direito de emissão de tal sorte que os menos poluidores ou os que preservam as áreas verdes possam vender o direito para aqueles que precisam poluir mais do que deveriam. (...) Um preço universal me parece mais simples, embora, em princípio, não assegure com certeza, na partida, o controle desejado do processo de poluição. A menos que se consiga, desde o início, fixar o preço correto."

 
Foto: Wikimedia Commons
Luiz Carlos Bresser-Pereira: professor emérito da FGV e ex-ministro da Fazenda

 Luiz Carlos Bresser-PereiraTalvez a sociedade só se mova na beira da catástrofe se tanto. As democracias de massa consideram os benefícios imediatos do crescimento mais importantes que ameaças futuras.
"Veja, o país mais rico do mundo são os Estados Unidos e, paradoxalmente, são os que mais resistem a um acordo. Pode-se até acusar os indianos, mas acho que a maior responsabilidade é dos norte-americanos, porque querem continuar se desenvolvendo. Eles construíram uma sociedade incrivelmente desigual e os padrões de vida do povão, da classe baixa americana, são muito ruins, ainda. Há muito que melhorar. (...)"


Foto: Reprodução
Ricardo Abramovay: professor titular da Faculdade de Economia da USP
Ricardo AbramovayÉ possível desenvolver conservando? O desenvolvimento sustentável não seria uma contradição em termos?
"Acho que “crescimento sustentável” é uma contradição bem mais nítida. Aí sim, como é possível fazer a economia crescer conservando? A economia ecológica tem uma resposta importante: você pode promover o crescimento não apoiado na maximização do produto, mas na maximização da qualidade. (...) Trata-se de preservar os serviços básicos oferecidos pelos ecossistemas e compatibilizá-los com o crescimento. A hipótese que cada vez mais economistas formulam é que a qualidade no crescimento econômico é compatível com a resiliência dos ecossistemas, e que as oportunidades daí decorrentes são impressionantes, como fronteira tecnológica. (...)"

Um comentário:

Ricardo Rosa disse...

Olá,


Meu nome é Ricardo, trabalho na Produção On-Line do Avesso, uma TV 2.0 que mostra os bastidores da comunicação. ( www.avesso.com.br).

Fiz uma visita ao blog, parabéns pelo trabalho.

Nós desenvolvemos parcerias com diversos blogs da área de comunicação, socioambientais, moda, design, esportes entre outros, e gostaríamos de ter seu blog como parceiro Avesso.

Acesse o nosso site www.avesso.com.br , e assista aos programas.

Caso tenha interesse, por favor entre em contato.

Um grande abraço.

Obrigado!

Ricardo Rosa
ricardo@avessotv.com.br
Tel. (11) 3578-0777
____________________
www.avesso.com.br