quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Marina no Partido Verde, bom para os dois lados

Dal Marcondes

A senadora Marina Silva está estudando o convite feito pelo PV para deixar o PT e ingressar em suas fileiras. Com isso Marina teria o caminho pavimentado para uma candidatura à Presidência da República. Eu realmente não sei se a ex-ministra do Meio Ambiente conseguiria a quantidade de votos suficiente para chegar ao Planalto, mas com certeza é uma magnífica locomotiva eleitoral para os verdes, que há anos estão trabalhando apenas na periferia dos grandes partidos.
O mundo está profundamente mobilizado por pautas ambientais que vão desde as mudanças climáticas, água, pobreza e direitos humanos. O PV não tinha, até agora, um grande nome, articulado globalmente, capaz de colocar o partido no centro destes debates. Marina é este nome.

Portanto, eleitoralmente o PV tem muito a ganhar. Marina também ganha palanque para levar o debate ambiental para o centro do debate presidencial. Outro fator interessante é que o PV passa a ter uma âncora realmente verde, o que deve fortalecer o partido entre os ambientalistas, que em muitos casos não se sentem representados pelos atuais integrantes da legenda. A chegada de Marina deve aportar, também, um considerável contingente de militantes dispostos a defender as bandeiras do ambientalismo.

Esta troca de partidos pode oxigenar a discussão política dentro ambientalismo brasileiro, que precisa ser mais integrado às políticas públicas globais e mais atuante nas políticas públicas locais. O PV mais arejado poderá, também, disputar com mais autonomia seus espaços de poder, não dependendo tanto da alavanca de outros partidos, alguns completamente sem políticas relacionadas ao meio ambiente e à sustentabilidade. Nos próximos dias a senadora Marina Silva vai anunciar sua decisão, certamente vai sofrer muita pressão dos “companheiros” do PT e terá de pesar muito os pró e contras da decisão. Eu, pessoalmente, sou a favor da troca. Marina também poderá fazer muito bem para o PV, um partido que precisa ser fortalecido em suas crenças republicanas e ambientais.

6 comentários:

André Navarro disse...

Realmente interessante!!

Mesmo com chances questionáveis de chegar ao Planalto, a candidatura da Marina Silva iria levantar a questão ambiental em primeiro plano durante as discussões nas eleições... no mínimo, seria uma porta para todos (incluo nesse "todos" a grande maioria dos brasileiros, não nós, os intelectuais da academia, mas os "brasileiros de verdade": aquela galera que acorda às 5 da manhã pra pegar no pesado; que vive com 2 salários mínimos; que luta pra fazer o Brasil acontecer sem saber que é a base do país) que têm interesse ou curiosidade pela causa, mas ainda não se sentiram instigados a fazê-lo, ou que ainda não foram esclarecidos da ligação entre sua/nossa situação social e a problemática ambiental.

Sem dúvida, seria um ganho imenso para o Brasil!!

www.eraldonaz.com disse...

Eu simpatizo muito com essa gerreira, ela já conquistou o meu voto...

vou pedir destaque ao crime ecológico que esta pra acontecer na mata atlântica de SC

http://projeto-reciclar.blogspot.com

por vavor ajude-nos a deter a destruição de 350 campos de futebol

Greens disse...

Os “verdes” de todo o mundo estão tão eufóricos com a possibilidade de Marina Silva ser candida pelo PV que já criaram uma mobilização mundial batizada de “Lets go Marina”.

Já existe até um blog com as mensagens enviadas a senadora.

http://letsgomarina.blogspot.com/

Guilherme Scalzilli disse...

O fator Marina Silva

A ex-ministra do Meio Ambiente ganhou as graças da mídia. A tendência começou quando ela pediu demissão, e pode se transformar num fenômeno publicitário caso o PV consiga realmente seduzi-la para concorrer a presidente em 2010.
Dizem que ela surgiria como a novidade que o eleitorado procura, com biografia, perfil e plataforma de fácil apelo popular. Será? Para que Marina tenha qualquer chance real, seria necessário que compusesse uma chapa abrangente, com acúmulo de tempo na propaganda gratuita e alianças nacionais – além de afastar a concorrência da interminável Heloísa Helena. São muitas variáveis para uma disputa que já começa polarizada, da qual nomes de grande reconhecimento, como Ciro Gomes, preferem se abster.
Cabe lembrar que o PV possui quadros como Zequinha Sarney e outros de sua cepa. O partido é aliado de quase todos os governos demo-tucanos do país, principalmente em São Paulo, onde apóia tanto Gilberto Kassab quanto José Serra.
A invenção de Marina é puro ensaio, uma espécie de idílio, nascido na necessidade de inventar alguém para bater em Dilma Rousseff impunemente, facilitando uma vitória de Serra no primeiro turno. Faz parte de um esforço preliminar a ser empreendido pelo governador até o final do ano, através de viagens e pesquisas de opinião, buscando aferir suas reais possibilidades na disputa presidencial. E, pelo visto, elas são menos sólidas do que se imagina.

Anônimo disse...

O PV tem ligação com José Sarney, e a maior parte dos políticos que o representam não entendem nada de meio ambiente e sustentabilidade...

Como vocês são ingênuos...

Não adianta ter Marina na presidência ou mesmo a Madre Teresa se o sistema político não muda...

walter´s bar disse...

De certa forma eu concordo com o anônimo ae de cima, o câncer corruptor instalado no governo é institucional. Figuras por si só são apenas figuras, Gabeira, Minc e Marina realmente deve, para surtir efeito é um tipo de revolução silenciosa nos corredores do planalto, muda a cara da instituição política brasileira que levou séculos para gerar essa imagem negativa que vemos hoje, só arregaçando as mangas, envolvendo as massas, utilizar a mída em prol do crescimento social e eco-nomicamente responsável, a cúpula elitista e intelecutal do país se reorganizar, deixando de lado suas diferenças e essa vergonha que se chama senado tratar com dignidade nós, eleitores, podem de certa forma, mudar eticamente a situação brasileira.
Fácil dizer, mas até quando levaremos porrada sem fazer nada ?
:D